Bem vindo a portal rock press 21 anos!
  Olá Anônimo!
Busca  
entrevistas: Voivod
Sábado, 29 de Março de 2014 (20:49:14)

 

Em sua primeira vez no Brasil, o Voivod concedeu entrevista exclusiva ao Portal Rock Press




 

VOIVOD - PELA PRIMEIRA VEZ NO BRASIL

 

IMPERDÍVEL! Pela primeira vez no Brasil, o Voivod comemora 30 anos de lançamento de ‘War And Pain’, disco de estreia do grupo, e uma das principais influências do Sepultura. Com exceção do guitarrista Dennis "Piggy" D'amour (falecido em 2005), a banda vem ao país com três membros da formação original – onde já passaram figuras conhecidas, como por exemplo, o ex-baixista do Metallica, Jason Newsted (que era considerado uma espécie de músico de estúdio do Voivod).

Por conta de uma trilogia inicial avassaladora, os canadenses se estabeleceram como um dos principais nomes do Trash metal mundial. Porém, o flerte com o rock progressivo no início dos anos noventa, deu ao grupo um respeito intocável. Álbuns como Nothingface (1989) e Angel Rat (1991) passariam a servir de influência para grandes nomes de uma geração futura - Fear Factory, Tool, e Faith No More. A partir dali, o experimentalismo começaria a fazer parte do cardápio da banda, e muitos começavam a afirmar que o grupo andava demasiadamente influenciado por jazz e por sons psicodélicos – representado principalmente em uma versão de “Astronomy Domine”, do Pink Floyd. Atualmente, o grupo divulga o seu mais recente álbum, Target Earth, lançado em 2013 (presente na maioria das listas de melhores do ano no gênero).

Quatro cidades estão confirmadas nessa passagem do grupo pelo país: São Paulo, dia 30/abr no Hangar 110; Rio de Janeiro, 1/mai no Teatro Odisseia; Joinville, 3/mai no Armageddon Festival; e Belo Horizonte, 4/mai no Studio Bar.

Confira abaixo a entrevista exclusiva com o vocalista Denis "Snake" Bélanger.

 

+ entrevista 

Por Eduardo Abreu

 

Qual a sensação de estar fazendo música em 2014 depois de trinta anos de carreira?

É incrível! Viajar pelo mundo e tocar na América do Sul, que era um lugar para o qual sempre quisemos vir. Tocamos no Chile, mas nunca no Brasil. Então ainda é muito excitante estar na estrada hoje. Chegamos aqui e estamos sentindo o espírito, ouvindo os sons, tipo: “Uau, estamos em São Paulo”.

 

Por que levou tanto para tocarem por aqui?

Acho que não tínhamos as conexões corretas. Tocamos com o Sepultura, excursionamos com eles e o Andreas Kisser sempre me dizia: “Vocês têm que ir para a América do Sul!”. E claro que sempre ouvimos dizer que as plateias são as mais selvagens que existem e que há uma cena de metal forte no Brasil. Espero que possamos incluir a América do Sul, e o Brasil, especificamente, em nossas próximas turnês.

 

Sou particularmente interessado pelo álbum “Angel Rat”, pois ele representa uma época singular para o Voivod. Quais as suas lembranças desse disco?

Foi um álbum interessante de fazer. Nunca quisemos nos repetir e com “Angel Rat” não foi diferente. A recepção das pessoas foi estranha. Algumas amaram o disco, outras ficaram desconfiadas. Mas para nós, você sabe, o processo de fazer um álbum é o mesmo, uma coisa leva naturalmente a outra. E me parece que esse disco está sendo redescoberto agora e muitas pessoas finalmente o entendem pelo que ele é.

 

E qual sua opinião sobre o resultado final? Ficou satisfeito com a produção?

Sim, o produtor desse álbum é Terry Brown, que trabalhou várias vezes com o Rush. Um cara desses trabalhando com a gente foi empolgante. E eu amo o álbum, canções como “Clouds in my House”... Eu amo as composições. Agora esse disco aparentemente é um capítulo da nossa história.

 

Ouvi dizer que uma das razões para o Blacky deixar a banda foi o fato de Terry Brown ter eliminado alguns efeitos de distorção do baixo. Isso é fato ou houve outros motivos?

Sim, mas houve também razões pessoais. É difícil você se manter na mesma direção por tanto tempo, então acho que isso contribuiu para que ele saísse. Mas sobre essa parte você precisaria perguntar diretamente para ele (risos).

 

Me refiro aos aspectos de produção, se houve esse tipo de desentendimento. De qualquer forma, o baixo soa incrível no disco.

Sim, sim, é verdade, ele [Terry Brown] realmente eliminou algumas coisas na gravação do baixo, mas não que tenha havido alguma reunião a respeito, algo como: “Ei, você cortou o efeito do meu baixo!”.

 

E como foi estar sob contrato com a MCA? Vocês sofreram pressão para se tornarem grandes vendedores de discos?

É diferente estar em uma companhia grande como aquela. Mas não sofremos pressão, embora nós tenhamos sentido a pressão (risos). No primeiro álbum que gravamos com eles, “Nothingface”, fizemos um cover de “Astronomy Domine” e que teve uma ótima resposta, então, obviamente, aumentaram as expectativas da gravadora. Mas “Angel Rat” é um disco bem particular, com os acordes estranhos do Piggy e tudo mais, e algumas pessoas não reconheciam o Voivod nele, embora seja evidentemente um disco do Voivod, nossa sonoridade está ali.

 

O fato de o Voivod nunca se repetir, como você mesmo citou anteriormente, pode ter, de alguma maneira, feito com que a banda se limitasse a esse status cult, ser uma banda adorada por outros músicos, mas que jamais atingiu uma grande popularidade?

Bem, nós nunca fomos uma banda que seguiu tendências. Há grupos que se encontram em determinado nicho e ali eles se mantêm porque se sentem mais confortáveis. Pode ser que isso tenha impedido que nos tornássemos uma banda monstruosa, tornou difícil nos classificar dentro uma categoria específica. Mas há sempre uma outra forma de ver isso. Temos fãs que nos acompanham e fazemos música pelo prazer de fazer música.

 

Tempos depois de sair do Voivod você montou outra banda chamada Union Made. Tenho a demo que vocês gravaram e é muito boa. Você tem planos de lançar esse material oficialmente? Se é que ele realmente nunca saiu em CD.

Não, nunca foi lançado mesmo. Esse é um projeto pequeno do qual participei, mas o fato de eu ter integrado antes o Voivod fez com que o nome da banda se espalhasse rapidamente. Os membros da banda estão cada um de um lado, então preciso ver como fazer para lançar isso, mas eu gostaria. Ainda estou pensando a respeito.

 

Existe uma gravação ao vivo do Union Made que tem uma qualidade muito boa também. Seria um lançamento interessante.

Sim, é verdade. Só preciso falar com os outros caras antes de lançar (risos).

 

Falando de seu trabalho pessoal, você gravou os vocais e escreveu a letra para uma das músicas (“Dictatosaurus”) do projeto Probot, do Dave Grohl. Foi estranho o processo de encaixar a voz sem a presença de outros músicos? Ele te enviou apenas o instrumental básico, certo?

Sim, foi bem diferente. Quando a música chegou nas minhas mãos, falei: “Uau! Mas o que é isso?”. No início não entendi muito bem, mas depois soube que faria parte de um projeto que ele estava desenvolvendo, convidando diferentes vocalistas para cantar em cada faixa, como Cronos, do Venom, King Diamond, Lemmy… E aí, quando ouvi a música, percebi que ele se inspirou nos riffs do Piggy e tudo, e percebi que ele queria uma música do Voivod (risos).  Então eu trabalhei em cima, demorou algum tempo. Eu acho que fui o primeiro a receber uma faixa do Probot para colocar a voz. Então eu fui ao estúdio, fiz uns improvisos. E acabei voltando uma segunda vez para gravar uma versão mais elaborada e escrevi a letra também. Fui o primeiro a mandar a gravação de volta, mas o disco ainda demorou bastante para ser lançado. Depois encontrei o Dave em Montreal, com uma amiga dele, durante o Natal. Fomos a um clube e ele me disse que tinha ouvido a gravação e adorado. Fiquei aliviado e pensei: “Ufa, ainda bem que ele gostou!” (risos).

 

E o Away [baterista do Voivod e artista plástico] criou também a capa do disco do Probot. Tem muito Voivod ali.

Sim, é verdade! Acho que ele [Grohl] ama nossa banda (risos).

 

Acho que sim. Por acaso você já viu uma entrevista com o Dave Grohl em que ele fala por 19 minutos seguidos apenas sobre o Voivod?

Sim, eu vi. Fiquei chocado! (risos). E ele nos descreveu muito bem como banda. Foi uma honra.

 

É curioso como o Voivod é adorado e reconhecido por outros músicos. Há um vídeo na Internet de Phil Anselmo [ex-vocalista do Pantera] cantando “Astronomy Domine” com vocês em um show. E dá pra perceber que ele ficou muito empolgado.

Sim, isso é muito legal. Um orgulho para nós. Há muitos músicos de estilos diferentes que já se declararam fãs do Voivod. É uma forma de reconhecimento.

 

Você consegue fazer uma lista com seu Top 3 do Voivod? Os três álbuns favoritos entre os que vocês gravaram.

Hahaha, essa é um pouco difícil! Mas vou tentar: “Dimension Hätross” ficaria no topo. “The Outer Limits” é um disco especial também. E acho que “Target Earth”, o nosso mais recente. Esses seriam os meus favoritos.

 

Falando em “Target Earth”, vocês pensaram em colocar um fim na banda após a morte do Piggy ou tinham a ideia firme de continuarem na estrada mesmo sem ele?

Quando o Piggy morreu eu pensei que tudo tinha acabado. Como substituir um músico tão singular? Então deixamos as coisas paradas por um tempo. Mas aí fizemos um show com o Daniel [Mongrain] e ele é um fã do Voivod desde que tinha 13 ou 14 anos de idade. O primeiro show que ele viu na vida foi do Voivod e depois disso decidiu comprar uma guitarra e aprender a tocar estudando exatamente as músicas do Voivod, então acabou funcionando muito bem.

 

 

 

SERVIÇO:

 

São Paulo

Data: 30 de abril (quarta-feira, véspera de feriado)

Local: HANGAR 110 - Rua Roldofo Miranda, 110 – Metrô Armênia 

Hora: 19h

Bandas Abertura: NECROMANCIA

Ingressos: Estudante: R$60,00 (1º Lote) | R$70,00 (2º Lote)  | Promocional*: R$80,00 (1º Lote) | R$90,00 (1º Lote)

*Válido somente com a doação de 1kg de alimento

 

Rio de Janeiro

Data: 1 de maio

Local: Teatro Odisséia - Av. Mem de Sá, 66 - Lapa

Hora: 18h

Bandas: KATAKLYSM e HATEFULMURDER

Ingressos: 2º lote: R$ 80,00 (meia-entrada) | 2º lote: R$ 100,00 (inteira antecipada promocional) | Portas: R$ 90,00 (meia-entrada) | Portas: R$ 180,00 (inteira)

 

Joinville - Armageddon Metal Festival

Data: 3 de maio

Local: Local: EXPOVILLE Convetion Center - Rua XV de Novembro 4315

Hora: meio-dia

Bandas: - VOIVOD (Canadá) - KATAKLYSM (Canadá) - KRISIUN (Brasil) - GRIM REAPER (Reino Unido) - MORTUARY DRAPE (Itália) - KUAZAR (Paraguay) - MX (SP) - ANTHARES (SP) - NECRPTÉRIO (PR) - DOOMSDAY CEREMONY (PR) - THE BLACK COFFINS (SP) - SODDAMNED (SC) - EXPURGO (MG) - RHESTUS (SC) - DYING BREED (RS) - ACEFALIA (SC)

Ingressos: Primeiro Lote: R$90,00 (Estudante/1kg de Alimento) | Segundo Lote: R$100,00 (Estudante/1kg de Alimento) | Terceiro Lote: R$110,00 (Estudante/1kg de Alimento) | Quarto Lote: R$120,00 (Estudante/1kg de Alimento)

 

Belo Horizonte

Data: 4 de maio

Local: Studio Bar - Rua Guajajaras 842 – Centro

Hora: 19h

Bandas: CERTOS PORCOS! (BH) e HATEFULMURDER (RJ)

Ingressos: 1° Lote: R$ 60,00 (meia-entrada) | R$ 120,00 (inteira)



 
 Links relacionados 
· Mais sobre Rock Press
· Notícias por admin


As notícias mais lidas sobre Rock Press:
Tudo que você queria saber sobre o U2


 Opções 

 Imprimir Imprimir


Tópicos relacionados


Desculpe, comentários não estão disponíveis para esta notícia.

Todos os Direitos Reservados Portal Rock Press ©

PHP-Nuke Copyright © 2005 by Francisco Burzi. This is free software, and you may redistribute it under the GPL. PHP-Nuke comes with absolutely no warranty, for details, see the license.