Bem vindo a portal rock press 21 anos!
  Olá Anônimo!
Busca  
matérias: MC5, a história
Domingo, 18 de Dezembro de 2011 (23:57:35)

 

George Clinton, do Funkadelic, comentou que, ao assistir o MC5 ao vivo, decidiu montar um grupo de negros que tocassem no mesmo volume, com o mesmo tipo de equipamento.






 

MC5

A história durou menos de dez anos


Por Carlos Lopes
 

Detroit é, até hoje, o coração do meio-oeste norte-americano. Após a Segunda Grande Guerra, a cidade viveu seu “boom” particular. Uma cultura industrial nasceu em torno dessa “máquina”, somando-se a isso a chegada de muitos imigrantes foragidos da Segunda Guerra e da Coréia. Aterrissaram aos montes nas cidades do norte para trabalhar nas fábricas. Nesse cenário, uma nova atitude e uma nova música jovem surgiram. Todos tinham emprego e a cidade prosperava. Talvez por isso, mais do que em qualquer outra cidade americana no mesmo período, os brancos e negros dialogavam abertamente. Detroit era uma cidade operária aberta ao novo, sem distinção de raça ou classe social. No início dos 60 os grandes nomes eram Duane Eddy, the Ventures, Beach Boys do começo, Motown, Stax, Otis Redding até a chegada da invasão inglesa, que incentivou a molecada a fundar bandas e mais bandas.

Fundado em Detroit no ano de 64/65 pelo vocalista Rob Tyner (durante a adolescência Tyner pegou emprestado o nome do pianista do John Coltrane, McCoy Tyner, para seu nome artístico) e pelos guitarristas Fred Smith (que tocava bongô antes das cordas) e Wayne Kramer (que ensinou Fred a tocar guitarra), a banda ainda contava com Bob Gaspar na bateria (já falecido) e Pat Burrows no baixo, que não desejavam findar seus dias como operários. Esse primeiro batera saiu reclamando: “Tenho que ficar dando porrada na bateria porque esses caras tocam cada vez mais alto! Tô fora!”. Michael Davis, que não foi o primeiro baixista, só entrou na banda porque usava botinhas iguais às dos Beatles (o que impressionou Kramer) e porque o baixista original ficou passado com Kramer alegando que não queria mais tocar aquela música maluca (a escola de Burrows era mais na praia da Motown, tipo James Jamerson) e caiu fora. Depois aterrissou o batera Dennis Thompson para completar a formação clássica.

No início, o MC5 era uma banda de covers (que tocava Who, Kinks, Them, Yardbirds, R&B, James Brown, Rolling Stones) com apenas uma canção inédita, a experimental e atonal “Black to Comm”, exatamente a mais “barulhenta”, que tornou-se a música que “expulsou” o baixista e o batera originais. A proposta musical do MC-5 não era só fazer barulho para entorpecer ouvidos, como pode parecer, mas sim trazer a liberdade artística e musical a todos. O conceito deles unificava linguagens aparentemente díspares como o rock and roll básico de Chuck Berry com o “freedom jazz” de figuras como Coltrane, Ornette Coleman, Albert Ayler e do louquíssimo Sun Ra, mais o soul de James Brown, a todo volume! George Clinton, do Funkadelic, comentou certa vez que, ao assistir o MC5 ao vivo, decidiu montar um grupo de negros que tocassem no mesmo volume, com o mesmo tipo de equipamento. Negros que influenciam brancos, que influenciam negros que influenciam...

A casa de shows que mandava na área era a Grande Ballroom, fundada pelo professor de Inglês e História Russ Gibb, que nas horas vagas era D.J. O sonho de Gibb foi trazer à cidade uma espécie de Fillmore, a grande casa de shows de rock da costa oeste dos Estados Unidos. O que faltava para Detroit era um lar para o rock and roll e a primeira banda residente passou a ser os “cinco”. A cidade ficou de pernas para o ar de uma hora para a outra. O MC5 se fez por lá com shows altíssimos e aterradores. Dennis lembra que eles adoravam tocar em um colégio católico da região porque colocavam no palco cabeçotes com oito caixas Marshall para as guitarras e mais duas cabeças Sunn para o baixo, isso sem microfonação para a bateria, o que obrigava Dennis a esmurrar o instrumento. O resultado de tantos decibéis era uma massa física impulsionada no ar pela força dos alto-falantes. O público adorava e o MC5 também, porque eles viam os chapéus das freiras (tipo Noviça Rebelde) balançarem por causa do impacto dessa massa sonora!

Todo mundo adorava, mas ninguém queria empresariá-los. O único que amou a banda de cara, e decidiu chamar a si essa tarefa, foi o maluquete/saxofonista/hippie John Sinclair que passou a utilizá-los como “pano de frente” da revolução. Sinclair trazia a rodo uma comuna hippie chamada Trans-Love (Energies) porque naquela época era importante fazer parte de uma família “alternativa”, que não fosse a tradicional. Entre 67/68, os Estados Unidos fervilhavam politicamente. Acreditava-se que a revolução era possível e que estava prestes a acontecer. Nixon e Vietnã. A (re)pressão da polícia acabou sendo tanta que a banda e a comuna se mudaram de Detroit para Ann Arbor, uma cidade bem mais tolerante, a quase cinqüenta quilometros a oeste.

Inicialmente o MC5 comungava com alguns princípios hippies de Sinclair, mas assim que assinaram com a Elektra para o primeiro disco, os Trans-Love foram sendo substituídos por um novo grupo político-reaça e a banda tornou-se a eminência não-parda dos Panteras Brancas (cujo lema era “rock’n’roll, drogas e f...r nas ruas”) que, como o nome diz, era a filial “branca-azeda” dos Panteras Negras, partido fundado em 66 para acabar com a discriminação contra os negros na base da violência e da luta armada.

O “ministro da defesa” do partido-versão-branca, (listado no disco ao vivo como Pun Plamondon) tentou explodir o escritório de recrutamento da CIA com uma bomba caseira. Os Panteras Negras chamavam essa versão do partido com branquelos revolucionários de “palhaços psicodélicos” e como está no livro Mate-me Por Favor, os MC5 treinavam tiro ao alvo no quintal da casa comunitária em que viviam, mais por diversão e por excesso de barbitúricos na idéia, do que por causas revolucionárias. No final das contas, para eles, e somente para eles, tudo não passava de diversão. Os shows foram acontecendo, os tumultos na platéia também, o nome da banda foi se espalhando, mas um evento deixou o nome MC5 na história musical e política dos States.

O caos aconteceu no Chicago Festival of Light em agosto de 1968. O cenário era esse: a banda protestava, em um curtíssimo set de apenas cinco músicas, contra a convenção do Partido Democrata que ocorria na cidade. A cena já estava montada quando a banda detonou seu show-protesto e o retorno veio sem se fazer esperar: garrafas voaram, a polícia sedenta por sangue e montada em eqüinos desceu o cacete no povo: power to the people e black is beautiful. A fama estava feita. O romancista Norman Mailer, cobrindo a Convenção para a revista Harper, descreveu o poder sônico dos cinco poeticamente: “As trombetas dos hunos fariam o mesmo barulho?”, além de acrescentar que “O ápice do ruído elétrico tornara-se o clímax eletro-mecânico de toda uma era”.

A Elektra correu para assiná-los, através do diretor artístico do selo, o amigo/gay/loucaço Danny Fields (que em 2002, disse ter transado com Pete Townshend, do Who naquela época). “Nós realmente acreditávamos que poderíamos mudar o mundo”, Kramer afirmou certa vez. “Queríamos crescer e ser como John Coltrane ou o Camarada Mao.” Um pouco distante dessa opinião, o vocalita Rob Tyner alegava que a “politicalização” em torno deles era apenas uma fantasia do empresário: “John Sinclair criou a ilusão de algo grande e forte atrás dele, para dar a impressão de que se alguém tentasse nos f...r, na verdade estaria f.....o com uma grande organização que te pegaria de jeito.”

O primeiro disco, Kick Out The Jams, gravado no reveillon Zenta (o que quer que seja isso) entre os dias 30 e 31 de outubro de 68 foi promovido com o slogan: “Fo..-se a Hudson” porque essa cadeia de lojas havia banido o álbum, exatamente pelo título chulo na capa. Tira o Motherfucker!, deixa o Motherfucker! A gravadora Elektra, assistindo o LP chegar ao trigéssimo lugar da parada como um foguete, decidiu recolher o trabalho por causa da canção-título, além de apagar o texto-bandeira do empresário John Sinclair da capa, e os demitiu ao iniciar a gravação do futuro segundo LP. Sinclair negociava um acordo para o segundo álbum, quando soube que a banda não poderia se apresentar no Miami Pop Festival, pois a polícia da Flórida expedira uma ordem de prisão para o grupo, caso eles colocassem os pés por lá.

A Atlantic os pescou (mas se arrependeu a posteriori) para lançar esse mesmo segundo álbum. Sinclair ainda trabalhava para que eles musicassem o trabalho Paradise Now do grupo experimental de teatro The Living Theatre. Tudo isso dentro do espírito coletivo plantado (?) pela comunidade Trans-Love em Michigan. Mal sabia Sinclair e o povo da comuna que os cinco estavam doidos para cair fora daquela galera toda, do Trans-Love e dos Panteras Brancas. A resenha do Kick Out The Jams feita por Lester Bangs na Rolling Stone decepcionou a banda. Eles esperavam a aprovação do grande Lester e o que o crítico disse é que Kramer não conseguia tocar e nem afinar a guitarra. Logo o homem que viria a babar o ovo do Raw Power, dos Stooges, anos depois, um disco essencialmente mal tocado (porém genial!).

Um pouco antes, o empresário Sinclair havia sido espancado pelos seguranças e policiais de um clube para adolescentes. Alguns afirmam que ele atraía confusão “Ele se queimava sozinho”, já sentenciou o baixista Michael Davis. O guitarrista Fred “Sonic” Smith apareceu para ajudar Sinclair, agredindo seu agressor. Julgados conjuntamente, Fred foi liberado e Sinclair sentenciado a dois anos e meio com cabeça raspada e tudo. Através de manobras jurídicas, Sinclair foi posto em liberdade mas logo depois foi preso por carregar duas baganas, a terceira detenção por posse de drogas, e o juizão não perdoou. Sinclair foi sentenciado a dez anos, sem apelação, isso em 69. O guitarrista Wayne Kramer sempre acreditou que a detenção e a posterior condenação já estavam armadas, trancafiando o louco do empresário para que a banda se calasse. Pelo baixista e pelo batera, o empresário poderia ter morrido na prisão.

Era uma primeira cisão no seio dos cinco. Foi aí, de uma forma indireta que os Beatles e o MC5 se cruzaram. Os ingleses brigaram em 70 também por causa de um (na verdade dois) empresário(s) e quando Sinclair foi preso, John Lennon escreveu uma música sobre essa detenção (no Sometime In New York City). Chegaram a organizar um concerto pela sua libertação, que teve um público de 125 mil pessoas. Depois Lennon iria se arrepender dizendo que Sinclair, liberto, era um mala.

Sem empresário, o MC5 se autogerenciou, afastando-se dos Panteras para gravar o segundo disco (primeiro de estúdio) chamado Back In The USA, produzido pelo crítico de rock da Rolling Stone Jon Laudau, que nunca havia produzido ninguém. Para muitos fãs (e para Sinclair também) esse é um disco quase arruinado pela produção muito limpa em relação ao primeirão, muito sujo. Davis lembra que Laudau os fazia repetir as músicas em busca de uma versão mais “correta”, mas eles nunca tocavam nada duas vezes igual, então esse método simplesmente não funcionava e o Back deixou, de alguma forma, isso claro.

Lançado em janeiro de 1970, o disco trazia clássicos absolutos como “Tonight” (o único compacto do LP, e que nem atingiu as paradas), “Teenage Lust” (a única canção coreografada como se vê no super-8 de Leni ex-Sinclair), “Looking At You”, “Call Me Animal”, mas que não alcançaram nem o sucesso e nem o respeito esperados. Nesse período, além da banda começar a perder espaço para novos grupos como o Grand Funk Railroad, os novos reis do barulho, o grupo se insurgiu contra a liderança natural do fundador Kramer. A partir dessa primeira crise, a gerência passou a ser dividida entre os dois tocadores de seis cordas, o que na prática não mudou muita coisa, apenas mais composições individuais, e menos coletivas, fizeram parte do repertório.

Após gravar um último trabalho, High Time (para os cinco, o melhor dos três álbuns e o disco que mais teve a cara de “Frederico Smithelini” ainda mais com o mais democrático produtor possível, Geoffrey Haslam) a banda terminou seus dias, melancolicamente. Michael e Rob não estavam mais com a banda na Europa dessa última vez. O baixista foi expulso (posto fora do carro no meio da estrada sem passagem de volta - se vira!, disseram) por estar muito mais doido do que os outros e Rob Tyner tinha uma família e a grana certa começou a falar mais alto e, sem cascalho na parada, nada feito. Dennis Thompson também não segurou a barra. O ressentimento nasceu entre os ex-amigos.

Após um último show no Grande Ballroom em Detroit, em um outro e derradeiro reveillon, só que em 1972, pelo cachê de quinhentos dólares, brigados, viciados e frustrados, cada um foi para o seu lado. Kramer ainda tentou remontar a banda com Fred para uma tour européia em 72 na qual os guitarristas foram acompanhados por uma baixista e um batera que nem conheciam, e com quem nem haviam ensaiado. A brincadeira parece que durou uma semana. Depois Kramer andou vacilando, roubando casa dos outros e traficando drogas e por isso tomou uma cadeiazinha. Os outros foram se agrupando por diversas outras bandas.

Logo depois do fim do MC5, Fred se reuniu com Michael que passou a cantar e a tocar um tecladinho Casio na banda Ascension com os auspícios do batera Dennis (um MC3?); Rob Tyner tentou remontar um novo MC5 sem os músicos originais em 77; anos depois o baixista Dennis montou o Destroy All Monsters, uma espécie de “Velvet mais Nico” com Ron Asheton dos finados Stooges; Kramer, depois da penitenciária, foi tocar no Gang War com o adicto Johnny Thunders, ex-New York Dolls; Fred tocou no Sonic’s Rendezvous Band e Dennis inventou um tal de “New Race”. A lista de bandas-pós-MC é enorme.

Os músicos só voltariam a se reencontrar, todos, em 91 quando foi organizado um concerto em benefício da família de Rob Tyner que falecera na pior, deixando a família que ele tanto protegeu, na maior pindaíba. Michael Davis cantou as músicas na ocasião, mas a banda não seguiu adiante. Terminaram na dor e se reencontraram na dor.

Voltando à prisão, Kramer lia alguns jornais ingleses que os chamavam de “pais do punk” durante os anos 70, mas o guitarrista tratava de dar, literalmente a descarga nos tablóides porque punk na prisão era alguém que dava o r... para os outros presos. Aí, a pergunta que não queria calar era: “Tu é punk?”...

Jornalistas perdem muito daquela empolgação de fã quando, munidos de rotina e diploma, têm as portas abertas aos seus ex-artistas favoritos com a maior facilidade. Apesar dessa “vantagem”, o ouro já não reluz com a mesma intensidade dos nossos 15 anos, é fato. Mas de qualquer forma, temos acesso a esse universo misterioso que nos era vedado. Há redenção, sim, quando a velha química fervilha, assim que jornalista e entrevistado tornam-se apenas duas pessoas conversando em expectativas, atingindo um novo estágio do processo: passando de fãs a amigos, confidentes e muitas vezes tornando-se biógrafos. Artistas, afinal de contas, são apenas seres humanos, uns melhores e outros a desejar.

Confesso, acima da faculdade e do fanatismo, que minha banda favorita é o MC5 tanto pela sua música como por suas (antigas) idéias. A década de 60 é fascinante por diversos aspectos, entre eles o pretensamente revolucionário. O maior representante dessa estética rock e armas foi “os cinco da cidade motorizada” (Detroit), que unidos a um pregador revolucionário (Irmão Jesse C. Crawford ou M.C. Jesse Crawford), a um empresário hippie (John Sinclair), e a um partido de ultra-esquerda chamado “Os Panteras Brancas”, revolucionou o mundo do rock naquele distante ano de 1968 com muita panfletagem, som e fúria.

 

 

DISCOGRAFIA


Kick Out the Jams (Elektra) 1969 + 1983
Back in the USA (Atlantic) 1970
High Time (Atlantic) 1971
Babes in Arms [fita] (ROIR) 1983 (Fr. Danceteria) 1990
Do It (Fr. Revenge) 1987
Live Detroit 68/69 (Fr. Revenge) 1988


Compactos lançados nos States:


* I Can Only Give You Everything / One Of The Guys - AMG RECORDS 1001 selo amarelo
* Looking At You / Borderline A - Square Records A2 - 333 (com e sem foto na capa)
* I Can Only Give You Everything / I Just Don’t Know - AMG RECORDS 1001 selo negro
* Kick Out The Jams / Motor City Is Burning - Elektra EK- 45648 Promo selo branco
* Kick Out The Jams / Motor City Is Burning - MC5 / 1 Promo selos negro e  amarelo
* Kick Out The Jams / Motor City Is Burning - Elektra EK- 45648 selos negro e  amarelo - prensagem alternativa
* Tonight / Looking At You - Atlantic 45-2678 selos vermelho e branco promo - prensagem alternativa
* Tonight / Looking At You - Atlantic 45-2678 selos vermelho e branco sem capa
* Shakin’Street / The American Ruse - Atlantic 45-2724 selos vermelho e branco - prensagem alternativa


Diversos


* Looking At You / Borderline - Skydog M001 selo negro e vermelho (prensagem francesa) (com foto na capa)
* I just Don’t Know / I Can Only Give You Everything  - Grease Records FUN 1 selo negro (prensagem amarela com foto na capa) - prensagem em vinil negro alternativa, mesma capa e selo-
* Black To Comm / Fire Of Love - pirata com selo branco (foto na capa)
* Looking At You / Borderline - relançamento pirata de A-square 333 (foto na capa)
* Looking At You / Borderline - Edição do trigésimo aniversário da Total Energy (foto na capa) (prensagem americana)


Leia também:

+ Entrevista MC5 Exclusiva

+ Playlist do MC5

+ Show MC5 São Paulo 2005


 
 Links relacionados 
· Mais sobre Rock Press
· Notícias por admin


As notícias mais lidas sobre Rock Press:
Tudo que você queria saber sobre o U2


 Opções 

 Imprimir Imprimir


Tópicos relacionados


Desculpe, comentários não estão disponíveis para esta notícia.

Todos os Direitos Reservados Portal Rock Press ©

PHP-Nuke Copyright © 2005 by Francisco Burzi. This is free software, and you may redistribute it under the GPL. PHP-Nuke comes with absolutely no warranty, for details, see the license.