Bem vindo a portal rock press 21 anos!
  Olá Anônimo!
Busca  
duplas: Dead Fish x Matanza
Quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2010 (2:34:09)

 

Dead Fish e Matanza são duas bandas que dispensam apresentações. Portal Rock Press intermediou uma entrevista dupla entre seus vocalistas, Rodrigo e Jimmy. Mas se você está esperando um bate papo maniqueísta entre o bom moço versus o ruivo ogro, reveja seus conceitos, man.



 




+ entrevista dupla

DEAD FISH X MATANZA



Dead Fish e Matanza são duas bandas que dispensam apresentações. Portal Rock Press intermediou uma entrevista dupla entre seus vocalistas, Rodrigo e Jimmy.

Mas se você está esperando um bate papo maniqueísta entre o bom moço versus o ruivo ogro, reveja seus conceitos, man.

Por Equipe Rock Press


RODRIGO X JIMMY


Rodrigo Lima - É público e notório que no Brasil ou se é mainstream ou se está no extremo underground. Você vê alguma possibilidade de algum dia existir um cenário amplo, com rádios independentes, casas de show, selos e bandas de porte médio que vivam da sua música? Ah - sem dinheiro público é o detalhe da pergunta.

Jimmy - Sinceramente, temos bons exemplos disso funcionando agora no Brasil. O Hangar 110 é um deles. Só que eu sei que a quantidade de trabalho necessário pra fazer um negócio funcionar nesse modelo é monstruoso. Assim, fica a dúvida: não temos mais mercado cultural "meio termo" porque não tem público? Ou o publico não alcança o produto porque as regras básicas de marketing não são assimiladas nesse meio? Nao adianta querer lucro se não tem distribuição. Ou seja, não adianta achar que o amor pela música faz alguma diferença. É um mercado, reage às mesmas regras. Se temos empresas de médio porte vendendo cartucho de impressora, também podemos ter o mesmo na música.

Rodrigo Lima - Sabemos que o Matanza é uma banda estradeira. Qual foi a maior quantidade de shows feita pela banda em um ano. Vale a pena neste país ficar um ano direto na estrada?

Jimmy - O Matanza fez 90 shows por ano nos últimos 3 ou 4 anos. Se não valesse a pena eu não continuaria fazendo, mas é como qualquer trabalho. Tem que ter saco, paciência e necessidade de pagar as contas no fim do mês. Senão, fodeu.

Rodrigo Lima - O que vale mais: festivais grandes em menor quantidade que te pagam bem ou vários shows que pagam menos, mas te levam mais longe?


Jimmy - Os festivais não são todos iguais. Você tem uns com muito nome e pouquíssima organização e outros que acabaram de começar e que se garantem, pagam bem, essas coisas. Do jeito que vivemos, nao da pra escolher. Estamos cada fim de semana em um lugar e seguimos fazendo os shows possiveis, juntando as datas e tocando. Tem a ver com aquele papo de pedra que nao pode parar de rolar ou
alguma merda assim, mas eu nao lembro.

Rodrigo Lima - Que raios você pensa sobre os fãs? O que sente de VERDADE, antes, durante e depois de shows da sua banda?


Jimmy - Eu sinto várias coisas. Eu sinto orgulho pra caralho. Mesmo. É quase inacreditável pensar que as bobagens que a gente imaginava como sendo divertidas numa letra possam movimentar tanta merda assim. Eu também sinto um estranhamento muito grande, porque eu nunca faria o que esses caras fazem, tipo beber desde tres horas da tarde e ficar berrando e se jogando loucamente na frente do palco. Eu sempre fui de assistir aos shows de pé. No fim, eu sinto gratidão por aqueles que estão lá, que possibilitam que o Matanza exista, blá, blá, blá e sinto uma vontade enorme de matar aqueles completamente pentelhos que ficam berrando no meu ouvido, bêbados, e me enchendo a porra da paciência. E sinto uma preguiça enorme de dialogar com cada um dos que me dizem que eu tenho que aturar isso, porque foi a profissão que escolhi. Minha profissão e a de músico, não macaco de zoológico pra ficar sendo observado e fotografado.

Rodrigo Lima - Fechando a fatura, minha ruiva... Estou fazendo um estudo pra ver se algum dia consigo te pegar de porrada. Venho treinando desde o dia em que te conheci. Quanto você mede, peso e quantas lutas já venceu? Prepare-se!


Jimmy - Esse tipo de coisa magoa. Eu aqui, pensando estar trocando ideias com meu bom e velho amigo, pra chegar no fim e receber na cara uma desfeita dessas. Mas tá tranquilo, não vai ser o primeiro vocalista de banda emo que experimenta minha fúria. Leia a minha última pergunta pra saber o que eu posso te falar sobre isso.


[Comentário em off da equipe Rock Press: “Medo! Muito medo”]
 

JIMMY X RODRIGO



Jimmy - Todo mundo lembra das suas poses e declarações sinceras, bonitas e de bom senso na revista Quase. Por que você não para de fingir que esta preocupado com o terceiro mundo e admite que é isso mesmo que pensa da vida?


Rodrigo Lima - Eu realmente me importo, cara, é sério. Mas nunca me levo a sério demais. Aqui na Brazaland se a gente leva as coisas a ferro e fogo demais, ou matam a gente ou a gente morre de raiva.

Jimmy - Como funciona essa sua viadagem de ser vegetariano? Existe vida sem chocolate e churrascaria?

Rodrigo Lima - Eu como chocolate, caralho! Na maioria das vezes sem leite, porque eu gosto mais de chocolate sem leite hehehehe... Churrascaria eu vou também mas fico na parte da polenta, batata frita e massa (quando tem). Tranquilo para mim, tirando o cheiro de carne frita. Dizem, inclusive, que em incêndios em que morrem muitas pessoas o cheiro é o mesmo. E tem mais, ser vegetariano é a opção mais decente num mundo acabando em barranco e escombro como o nosso. Sendo vegetariano consigo ter uma vida com uma qualidade muito melhor que a da maioria dos carnívoros, mas seria chato ficar explicando aqui. Se as pessoas quiserem se informem e tentem. Pra quem pensa que ser vegetariano é só comer soja e peidar está muito enganado. E mais, vai se foder, seu carnívoro ex-bebum do caralho!

Jimmy - O Rafa (Rafael Ramos, de Deck) já me contou sobre o seu caderninho de letras, o que tem de mais esquisito escrito ali?

Rodrigo Lima - Putz, tem muita coisa ali. Eu escrevo o que vem na cabeça praticamente todo dia. Boa parte é merda e uma parte se salva.

Jimmy - Como é esse papo de incentivar seu próprio publico a te mandar tomar no cu? É um movimento antiiconoclasta ou é falta de vergonha na cara, mesmo?


Rodrigo Lima - Pura falta de vergonha na cara. E uma falta de noção de que na primeira vez que falei isso estava puto com a banda e havia uma gravação rolando. Quando eu percebi já era tarde demais.


Jimmy - Comeu criança quando era merda, meu amigo?


Rodrigo Lima - Eu não entendi esta... foi mal. Mas eu também te amo, meu ruivão do Mossad!

 


 
 Links relacionados 
· Mais sobre Rock Press
· Notícias por claudia


As notícias mais lidas sobre Rock Press:
Tudo que você queria saber sobre o U2


 Opções 

 Imprimir Imprimir


Tópicos relacionados


Desculpe, comentários não estão disponíveis para esta notícia.

Todos os Direitos Reservados Portal Rock Press ©

PHP-Nuke Copyright © 2005 by Francisco Burzi. This is free software, and you may redistribute it under the GPL. PHP-Nuke comes with absolutely no warranty, for details, see the license.