Bem vindo a portal rock press 21 anos!
  Olá Anônimo!
Busca  
rip: Morre Jay Reatard
Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2010 (3:52:23)


A grande motivação de Jay para mergulhar de cabeça no rock’n’roll foi um show da banda Rocket From the Crypt. Compositor compulsivo, ganhou respeito da crítica especializada e fãs com seu talento para fazer música concisa: três acordes+punk+garagem+refrão pegajoso.



 



  

 

O músico Jay Reatard faleceu ontem [13] aos 29 anos. Sua morte está sendo investigada como homicídio.  Sua gravadora, a Goner Records escreveu, "É com grande tristeza que anunciamos a morte de nosso bom amigo Jay Reatard. Jay morreu dormindo na noite passada. Nós divulgaremos as informações sobre o enterro assim que soubermos." O jornal Commercial Appeal informou que o músico foi encontrado morto às 3 da manhã.

Reatard, nascido Jimmy Lee Lindsey Jr., fez parte da cena garage de Memphis durante alguns anos, antes de estourar em todo país em 2006, com o álbum Blood Visions. Seu álbum mais recente, Watch Me Fall, saiu em 2009.
 

RIP JAY REATARD

O dínamo garage rock

Por Olga Costa


Jay Reatard era inquieto. Mentalmente hiperativo. Ainda com seu nome de batismo pegou pela primeira vez numa guitarra - Jimmy Lee Lindsey Jr. nasceu no dia 1º de maio na cidade Lilbourn, Missouri, Estados Unidos. Com oito anos mudou-se com os pais para Memphis, onde, mais tarde, conseguiria inspiração suficiente para compor, bastando caminhar alguns minutos pela cidade.


A grande motivação de Jay para mergulhar de cabeça no rock’n’roll foi um show da banda Rocket From the Crypt. Ser compulsivo como compositor o levou a formar diversas bandas, entre elas aquela da qual adotaria seu nome artístico – The Reatards.
A velha combinação de garoto problemático na escola + guitarra mais uma vez surtiu efeito. Com 15 anos já tocava e compunha canções. Escrevia e gravava tudo dentro do quarto. Tornou-se um compositor voraz, capaz de escrever uma música por dia. Quando Steve Hyden numa entrevista, ano passado, lhe perguntou se ele ainda fazia isso, respondeu: ”Costumava fazer bastante, antes de assinar com a Matador.  Tinha deixado um pouco de lado, por conta dos singles que estava prestes a gravar.”


Ganhou respeito da crítica especializada e fãs com seu talento para fazer música concisa: três acordes+punk+garagem+refrão pegajoso.
Em 2006, quando lançou seu primeiro solo, Blood Visions, fez uma limpeza no som, o que o tornou mais “acessível”: “Antes, minha música estava fora do radar. Mas agora, parece que a garotada ouve punk rock tanto quanto ouve indie rock. Claro que a internet tornou isso mais fácil”, declarou.


Em entrevista para a Billboard americana, disse que Watch me Fall, lançado ano passado, era sobre como lidar com a morte e a velhice. Ainda na mesma conversa comentou que era o primeiro trabalho em que ele sentia ter deixado para trás o adolescente inconseqüente, afinal estava perto dos 30.


Na trajetória de Jay Reatard é possível identificar influências diversas que vão desde o óbvio, como Ramones (“I See You Standing There/Rotten Mind”) até Nick Lowe (“I’m Watching You”) e Stranglers (“Another Person”).


Jay Reatard tinha completa consciência de que não exercia controle algum sobre o que lançava no mercado. Para muitos era um músico raivoso, para outros um talentoso compositor que tinha noção de seu lugar ao sol. Outras tantas, desde ontem, preferem imaginá-lo num balão rumo ao céu aberto, prometendo que voltará em breve, como ele mesmo descreveu na música “Rotten Mind”.

 

 

+ especial

THE REATARDS at the Rock House, Reno 1999

 


"Há muitos anos pretendia postar estes vídeos. Queria que algo, além do me desejo de homenagear o Jay, finalmente me desse um empurrão para fazer isso.

Aqui está o que acabou se tornando um nos shows mais memoráveis que já participei. O jovem REATARDS tocando em Reno durante três dias, em novembro de 1999. Na primeira noite [segunda-feira], eles acabaram com o porão da minha casa [veja o vídeo]; na terça -feira, nós fomos ao café Deux Gros Nez, onde os rapazes fizeram um set acústico [com baldes como percussão] para poetas bem vestidos; na quarta-feira, um show de última hora no Redrum bar. As brincadeiras de Jay deixaram alguns ouvintes com raiva e, depois que uma cadeira quase arrancou sua cabeça, ele se abaixou atrás de um alto-falante e saiu do bar. Nós nos separamos!

Só para constar, o Jay limpou a bagunça no meu porão. Até usou o aspirador. Não por que tinha alguém tivesse ficado puto com ele - pelo contrário. Eu particularmente adorei cada minuto da destruição.

Saudações, Jay. Até mais."
Peter Menchetti, Slovenly Recordings
www.slovenly.com

 

+ Homenagens
 
Noticiamos ontem [13] o falecimento do músico Jay Reatard, aos 29 anos. A medida em que a notícia se espalhou, muitos artistas que admiravam o trabalho de Reatard expressaram seus sentimentos em relação à sua morte. Abaixo, seguem alguns comentários e homenagens de amigos e fãs:
 


- O No Age postou no blog oficial algumas fotografias em homenagem ao músico:  http://noagela.blogspot.com/2010/01/rip-jay.html
 

- Beck postou em seu site oficial uma versão feita por Reatard de sua música "Gamma Ray": http://www.beck.com/
 

- Bradford Cox, do Deerhunter/Atlas Sound: "Jay foi o que poucas pessoas tem a capacidade de ser. Ele criou um álbum inegavelmente clássico, que contém tanta dor transferida para uma fita, de uma forma tão explosiva, que faz você se sentir diferente depois de ouvir. Ele era transgressivo e honesto. […] Amava música e trabalhou muito desde jovem para alcançá-la. Estou realmente transtornado de vê-lo partir."
 

- Gerard Cosloy, co-fundador da Matador Records: "Estava em um voo para NY esta tarde e quando pousei, haviam muitas mensagens sobre a morte de Jay Reatard. Estou aborrecido, confuso e muito triste pela perda de uma das pessoas mais incríveis que tive o prazer de conhecer. Dentro da indústria fonográfica, sim, nós perdemos um fantástico performer e compositor e um insaciável amante da música. Mas também perdemos um grande amigo e esta é a parte que doi mais.  Nós não somos os únicos sentindo isso agora, obviamente. Os amigos de Jay em todo o país, que nada, em todo mundo, estão lidando com isso. […] Nossos pensamentos estão com este enorme grupo de pessoas nesta tarde."


- Pixies: "Queremos expressar nossos pêsames aos amigos e familiares de Jay Reatard, por seu súbito falecimento hoje."
 

- Carlos Nishimiya (Surfadélica, Continental Combo, Kid Vinil Xperience e Los Tornados): “A primeira vez que ouvi Jay Reatard foi, como em tantos casos, na casa do velho amigo Kid Vinil. Era um dos primeiros compactos 7 polegadas que Jay havia lançado pelo selo Matador. Por essa época, começo de 2008, o hype criado pela Matador já tinha transformado Jay em um fenomeno. Cada um de seus compactos 7 polegadas era disputado a tapas no dia de lançamento e depois sendo vendido por uma fortuna no Ebay. Uma das coisas que achei mais interessante no trabalho de Jay era que ele não se limitava a ser mais uma banda punk. Tinha estilo, sabia o valor de uma boa melodia, de boas letras. O som podia ser cru e sofisticado ao mesmo tempo. Depois fiquei sabendo que ele já tinha uma longa carreira, gravando desde o fim dos anos 90.  Em 2008 sairam duas coletaneas, "Singles 06-07", pelo selo In The Red (reunião dos seis singles que sairam pelos selos Squoodge Records, In The Red, P. Trash, Goner e Stained Circles) e que vinha com um DVD com apresentações ao vivo em 2007 e o "Singles 08" pela Matador (os seis singles seguintes). Era óbvia a evolução de Jay e seus 2 comparsas ouvindo esses dois discos em seguida. Dava para ver que havia um lado mais suave de Jay; ao lado de hinos monstruosamente punk e verdadeiramente rock'n'roll que eram sua especialidade haviam canções acústicas e até powerpop. Eles havia gravado um cover do Go-Betweens!  Uma pena que o último disco de Jay, "Watch Me Fall", que foi quase que inteiramente gravado só por ele, tenha tido tão pouca repercussão. Era de um potencial extremamente promissor. Daí a notícia de sua prematura morte ter sido tão chocante. Um dos artistas mais talentosos a surgirem na cena nos últimos anos teve pouca visibilidade, só os mais antenados chegaram a ouvir seus discos.  Assim como seu ídolo, Kurt, Jay tambem se vai com seus vinte e poucos anos. Tem um lugarzinho aí no céu para um jovem rocker?”
 

- Ted Leo: "Cara, tenho que dizer, esta notícia do Jay Reatard está me batendo muito forte. Só encontrei com ele algumas vezes, mas... ugh. Estranho. E triste ... Vamos pegar leve com as conclusões precipitadas e ter um pouco de respeito, ok? Sem levar em conta como aconteceu, aconteceu."
 

- Tom Leão (Rio Fanzine/ O Globo): "Só descobri o som dele nos dois últimos anos e achei muito divertido, provocante, gostava também da batida, um punk diferente. Pena que morreu justamente quando lançou o seu melhor disco solo”.
 

- Ulysses Christianini (Pisces Records, Books & Films): “Infelizmente perdemos uma grande promessa da música, Jay Reatard tinha muito talento, e vai deixar um vácuo na musica de boa qualidade!!!”


- Vivian Girls: "Nós amamos sua música."
 

Mauricio Melo, Portal Rock Press:  "Estava meio desconectado estes dias e fui pego de surpresa com esta notícia.  Assisti ao Jay no Primavera Sound 2009 e realmente o rapaz fez um show ao seu estilo.  Parecia um integrande de banda de death metal tocando um punk rock de garagem que algumas vezes lembrava o Toy Dolls, foi legal, era bem querido por aqui [Barcelona] e já tinha tocado neste festival em edições anteriores quando ainda era bem desconhecido."

 

- Promoter DIY, Todd Patrick: "Você foi talentoso e perturbador e uma influência positiva e negativa para muitas pessoas. Você não deveria estar morto."
 

- Raphael Cruz, Garage Rock, Portal Rock Press: "Um jovem artista e uma vasta obra. Uma porção de figuras históricas do rock haviam falecido em 2009. Isso me fez pensar quem mais nos deixaria em 2010. Por razões obvias, pensava qual seria o coroa que iria passar dessa para melhor. Esse foi um dos motivos pelos quais a morte de Jay Reatard me chocou tanto. Se em algum lugar um lunático tiver feito uma lista dos roqueiros cotados para morrer em 2010, com certeza Jay Reatard não estava nela. Jay era um cara jovem, 29 anos, prolífico e criativo. Ele não tinha quatro décadas de vida artística, como nossos heróis que nos deixaram no ano passado, mas sua extrema criatividade, materializada em suas inúmeras bandas e discos, bem que poderia fazer parte do currículo de algum dinossauro do rock. Jay era qualitativa e quantitativamente um excelente artista. Uma nova década começa e é uma pena que ela não terá a participação do espírito inquieto de Jay Reatard. O que nos resta é reverenciar a obra desse jovem artista que nos deixou e ficar imaginando do que ele ainda seria capaz de fazer nos próximos 10 anos. Viva Jay Reatard!"

- Zola Jesus: "Blood Visions foi um álbum perfeito."
 

- Small Black: "Existem poucos que poderiam fazer mais em 1 minuto."
 

- Sky Larkin: "A flying V nunca pareceu tão em casa como nas mãos dele."
 

- Lê Almeida (Transfusão Noise Records): “Dei uma puta chorada agora há pouco e acabei de colocar o Blood Visions pra ouvir no talo amanhã bem cedo indo pro trabalho. Sua morte me chocou de montão pois eu acabei tendo o cara como um exemplo pra se seguir.... tipo roquear de montão por ai e ter o espirito jovem ligado com força ao rock e ponto. O novo disco ainda tá na minha cabeça como algo muito muito foda e acho que vai ser dificil apagar alguma imagem viva do Jay que vai ficar na minha cabeça, quero muito manter essa imagem viva e roqueira, acho que ele conseguiu tocar muita gente por ai assim como eu!”


- Abonico Smith (Portal Rock Press e Mondo Bacana): “Estrela que se divertiu para valer no tempo fugaz que teve de carreira. Deixou alegria e boas músicas. E um ótimo videoclipe...”



 


 
 Links relacionados 
· Mais sobre Rock Press
· Notícias por claudia


As notícias mais lidas sobre Rock Press:
Tudo que você queria saber sobre o U2


 Opções 

 Imprimir Imprimir


Tópicos relacionados


Desculpe, comentários não estão disponíveis para esta notícia.

Todos os Direitos Reservados Portal Rock Press ©

PHP-Nuke Copyright © 2005 by Francisco Burzi. This is free software, and you may redistribute it under the GPL. PHP-Nuke comes with absolutely no warranty, for details, see the license.